Site Overlay

Qual a relação entre obesidade e diabetes?

Enquanto o diabetes já afeta cerca de 350 milhões de pessoas em todo o mundo, a obesidade é uma epidemia global de acordo com estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS). De acordo com a OMS – Organização Mundial da Saúde, em novembro de 2014, a previsão é que em 2015 cerca de 700 milhões de pessoas em todo o mundo sejam consideradas obesas. No Brasil, o número de obesos já chega a 70 milhões, segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabolismo (SBEM). Destes, cerca de 18 milhões são classificados como obesidade. Mas existe uma ligação entre obesidade e diabetes?

Qual a relação entre obesidade e diabetes?

Segundo a nutricionista Talita Pigato, sim. Porque as condições que levam à obesidade também são responsáveis ​​pelo desenvolvimento do diabetes tipo 2, além do fato de as funções do próprio corpo serem reestruturadas quando ocorre excesso de gordura corporal. Os maus hábitos alimentares e o estilo de vida sedentário têm sido associados ao desenvolvimento da obesidade. Isso faz com que a necessidade de insulina aumente quando os próprios receptores de insulina diminuem. Por isso sabemos que a obesidade é um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento de diabetes ”, explica.

O diabetes ocorre quando o corpo não consegue produzir insulina suficiente para mover o açúcar para as células, resultando em hiperglicemia. A nutricionista Talita explica que o diabetes tipo 1 ocorre quando as defesas do corpo atacam as células do pâncreas responsáveis ​​pela produção de insulina. O tipo 2, por outro lado, é adquirido com o tempo por meio do abuso de carboidratos de rápida absorção (refinados) e doces. Com esse tipo de diabetes, a pessoa se torna resistente à insulina ou ainda não produz insulina suficiente, afirma.

O que é obesidade?

Doença crônica caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura corporal em uma pessoa, a obesidade é diagnosticada quando o cálculo do IMC – Índice de Massa Corporal, proposto pela OMS – Organização Mundial da Saúde, dá um resultado igual ou superior a 30, o que indica que o o acúmulo de gordura corporal está muito acima do valor ideal.

A obesidade, para além dos sintomas de excesso de peso, também acarreta um risco acrescido de doenças cardiovasculares, hipertensão, diabetes tipo 2, doenças respiratórias e depressão. Isso também reduz a expectativa de vida de pessoas obesas em comparação com pessoas com peso suficiente. Segundo a ABESO – Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica – o índice de falha terapêutica (quando o corpo não responde ao tratamento) é muito maior na obesidade do que nos casos de câncer. Não é à toa que, segundo dados do Datasus – Departamento de Informática do SUS, foi uma das doenças associadas à morte de cerca de 2.390 pessoas no Brasil só em 2011.

Mas por que engordamos e ficamos obesos?

Os principais fatores associados ao ganho de peso são o sedentarismo e hábitos alimentares pouco saudáveis ​​ou não saudáveis, que incluem o consumo de alimentos ricos em gordura, açúcar e alimentos refinados. Mas, ao contrário do que você possa pensar, a obesidade não se desenvolve apenas a partir de problemas relacionados a hábitos alimentares inadequados e estilo de vida sedentário. Também pode ser o resultado de situações que envolvem fatores genéticos, como hipotireoidismo, síndrome de Cushing, depressão e alguns problemas neurológicos.

Visto que os fatores que podem levar à obesidade são diversos, consultar um endocrinologista e também, um nutricionista torna-se indispensável. Ambos os especialistas serão responsáveis ​​por estudar, identificar e tratar adequadamente as causas do ganho de peso.

Relação entre diabetes e obesidade

Quando começamos a entender como o diabetes atua no corpo, fica mais fácil entender a relação com a obesidade. Dietas inadequadas de carboidratos excessivamente refinados e um estilo de vida sedentário levam ao acúmulo de gordura e também podem fazer com que o corpo se torne resistente à insulina.

A boa notícia, segundo a nutricionista Talita, é que o diabetes é comum A atividade física pode ser controlada com o aumento da atividade física e emagrecimento com alimentação adequada com a ajuda de uma nutricionista, enfatiza.

Como prevenir diabetes e obesidade

Talita explica que, para manter o diabetes longe, uma dieta balanceada baseada em alimentos naturais com carboidratos de absorção lenta, rica em fibras, proteínas magras e gorduras boas, é recomendada ao longo do dia. É importante evitar carboidratos refinados como pão branco, macarrão, açúcar, bala, bala, refrigerante, etc. Se tiver vontade, o segredo é consumir esses alimentos muito esporadicamente, comenta.

Ela ressalta ainda que a prática de atividade física também ajuda a reduzir a probabilidade de desenvolver essas patologias.

Alimentação para quem tem diabetes

Segundo a nutricionista Talita, a alimentação para quem já tem diabetes não é muito diferente daquela utilizada para prevenção. Obviamente, aprender a contar os carboidratos é necessário para controlar o açúcar no sangue. Um nutricionista clínico pode ajudar muito nesse período! E reduzir o peso corporal e a gordura corporal é altamente recomendado, para quem está com sobrepeso, ele recomenda.