Site Overlay

Hiperglicemia: tire suas dúvidas aqui!

A hiperglicemia é uma patologia caracterizada pelo excesso de açúcar no sangue. Ela ocorre a partir do momento em que a quantidade de insulina no organismo é insuficiente ou quando o corpo não consegue usá-la de forma adequada.

Hiperglicemia: tire suas dúvidas aqui!

Essa condição geralmente afeta pessoas com diabetes tipo 1 e 2, mas pode ser causada por uma variedade de fatores que nem sempre estão relacionados ao diabetes. Para informar os interessados ​​sobre a hiperglicemia, reunimos neste artigo as informações mais importantes sobre o assunto. Acompanhamento!

Entenda quais são as causas da hiperglicemia

A taxa elevada de glicose no sangue se deve, na maioria das vezes, ao fato de o indivíduo ser diabético. Isso porque o organismo de quem sofre com essa condição não tem insulina suficiente para quebrar as moléculas de glicose e transformá-las em energia.

Há também outros três fatores que podem causar a condição. O primeiro deles são os gatilhos para hiperglicemia. Ou seja, as situações que podem elevar a taxa de glicose no sangue, como estresse emocional, dose errada ou insuficiente de insulina e mudança de medicamento.

O segundo fator está ligado a algumas condições médicas, como câncer do pâncreas, estresse severo ou tumores incomuns. A última causa tem relação com o uso de alguns medicamentos, como corticosteroides e antipsicóticos.

Conheça os sintomas mais comuns

Os sinais da doença começam a aparecer aos poucos e costumam ser notados somente quando os valores da glicemia ultrapassam 200 ml/dL. Quanto mais tempo as taxas de glicose ficam elevadas, mais sérios são os sintomas. Em estágio inicial, eles incluem:

  • sede constante;
  • visão embaçada;
  • fadiga;
  • dores de cabeça;
  • necessidade frequente de urinar.

Se a hiperglicemia não for tratada no início, pode gerar cetonas no sangue e cetoacidose na urina. Entre os principais sintomas estão:

  • boca seca;
  • coma;
  • dor abdominal;
  • cansaço;
  • náuseas e vômitos;
  • respiração curta;
  • hálito com odor de fruta.

Veja como é feito o diagnóstico

Há diversos exames de sangue que identificam a hiperglicemia. Eles podem ser solicitados pelo clínico geral ou pelo endocrinologista. Entre os mais comuns estão:

  • glicemia aleatória: mede a taxa de glicose no sangue em um determinado ponto no tempo;
  • teste de tolerância à glicose: diagnostica a diabetes em gestantes;
  • glicohemoglobina A1c: mede as taxas de glicose dos últimos dois meses.

Saiba como tratar a hiperglicemia

Na maioria dos casos, a hiperglicemia está relacionada à diabetes. Logo, ter um controle do açúcar no sangue é uma excelente forma de preveni-la e controlá-la. Outros cuidados incluem:

  • praticar atividades físicas regularmente;
  • verificar a taxa de glicose no sangue regularmente;
  • ajustar a dose de insulina;
  • controlar o peso corporal;
  • informar o médico sobre doenças incomuns;
  • evitar o estresse;
  • seguir uma dieta equilibrada.

De modo geral, a hiperglicemia, apesar de ser uma doença que tem potencial para trazer consequências graves, pode ser facilmente evitada. Quem já tem a doença, no entanto, deve ter cuidado redobrado, pois precisa manter as taxas de glicose sempre controladas.